facepixel

Portugal e a Região de Vinhos Verdes

A Covela é uma Quinta muito tradicional. Ela fica aqui na região dos Vinhos Verdes, mas por ser muito próxima ao Rio Douro, faz com que os vinhos que saem desse terreno sejam super especiais.

Neste texto, você vai conhecer um pouco sobre a Quinta de Covela e o Vinho Avesso. Conversamos com Tony Smith, produtor dessa variedade. Ele é apaixonado pelo que faz aqui na região dos Vinhos Verdes, ou como ele mesmo chama, Douro Verde. Siga com a gente!

Douro Verde e o Terroir

Segundo Smith, os inúmeros muros presentes na Quinta de Covela significam a essência da Covela. “Olhando aqui em volta, topograficamente não é típico da região dos Vinhos Verdes, parece mais o Douro, onde as colinas são mais simpáticas, mas não muito extremas”.

O que de fato é típico na região dos Vinhos Verdes e está presente na Covela é o seu padrão granítico. Os vinhos em Douro produzidos lá têm uma cor marrom um pouco desértica, parecendo as cores do Saara. É tipo uma areia uma terra queimada.

Já as bebidas produzidas em Vinhos Verdes possui um brilho semelhante ao quartzo. “Isso tem muito a ver com as características dos nossos vinhos, que são frescos e muito cheios de mineralidade

O produtor também destaca que a Quinta de Covela mistura as principais características, tanto as da região dos Vinhos Verdes, quanto as de Douro. Por isso, ele chama de Douro Verde, pois estão em cima do Douro, mas a produção especializada é de Vinhos Verdes.

Vinhos Verdes, mais do que um estilo

Tony Smith esclarece que Vinho Verde não é um estilo de vinho. “Se trata de uma região demarcada, uma região geográfica que produzem vinho, tal como Alentejo, Bourdeaux e Borgonha ”.

Além disso, Smith ressalta que muita gente acha que Vinho Verde tem que ser totalmente seco, levezinho e muito fácil para beber, porém pode ir além disso. “O nosso vinho pode ser tudo o que pensam, mas não se limita. Aqui é uma região que tem espaço para muito mais coisas. Temos um vinho verde feito em barrica, que já foi muito tradicional por aqui, perdeu força e agora está se retomando. Entretanto, muita gente não o associa a esta localidade”.

 

Muitos dos bons vinhos brancos de Portugal são da região dos Vinhos Verdes. Tony Smith ressalta o terroir da localidade que garante a qualidade dessas bebidas. “Eu não tô falando de defrizantes e adocicados, mas sim de vinho branco de qualidade, que tem uma vida mais longa, que dá para colocar na casa e que tem possibilidade de envelhecer bem. Isso porque nós garantimos aqui uma uma belíssima acidez e realmente isso é devido ao terroir que temos”.

A História da Quinta de Covela

A Quinta de Covela possui 45 hectares de área, sendo 15 de vinho. Smith visitou a área pela primeira vez em 2009, mas só a comprou dois anos depois. O produtor destaca que a localidade estava em situação de falência.

“Quando nós chegamos aqui, tudo estava coberto por mato. Estava tudo abandonado e nós tivemos que limpar isso tudo para ver o que estava para baixo, o que era recuperável e o que tinha que replantar.  Não foi nada fácil”, afirmou.

Smith relembra que a Quinta de Covela foi considerada comercial nos anos de 1980, em uma época em que a economia portuguesa estava em baixa quando comparada a outros países europeus. “Cheguei em Lisboa em 1988 e achei um lugar muito exótico, entretanto era uma cidade diferente, parada no tempo. Hoje em dia, é como qualquer outra capital europeia. Mas na época, em várias partes do país inclusive aqui, as Quintas focaram em castas de outros países, como Cabernet Sauvignon que é francesa”.

O produtor também conta que surgiu a necessidade de se investir nas castas autóctones, ou seja, locais e autênticas. “Em um primeiro momento, os especialistas e, em seguida, o público, se interessaram em produtos mais autênticos, que são das nossas regiões”.

Castas de Vinho Verde

O produtor destaca que o Vinho Verde é qualquer vinho que seja feito na região, utilizando uma ou várias das castas autorizadas, que são:

– Alvarinho: localizadas no norte português, fazendo fronteira com a Espanha;

– Loureiro: tem sua origem no vale do Rio Lima, sendo uma casta bem aromática;

– Avesso: tem sua origem em Baião, perto da região do Douro;

– Arinto: sua origem é na região de Bucelas;

– Trajadura: casta de aroma com baixa intensidade;

– Azal: casta rústica e bastante produtiva

– Espadeiro: próprio para vinhos rosès;

– Vinhão: conhecida por ser própria para vinho tinto;

– Alvarelhão: assim como o vinhão, também é especial para vinho tinto;

– Touriga Nacional: é uma das castas mais importantes dos vinhos tintos, sendo a mais nobre portuguesa.

Curtiu essa primeira parte sobre Portugal e a Região dos Vinhos Verdes? Comente aqui em nosso blog qual foi a parte que você mais gostou e o que gostaria de saber! Até a próxima!

Baixe o e-book grátis

Vinho, saber beber

* indicadores requeridos
Seu e-book está no e-mail

Compartilhe!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on google

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre Mim
Redes Sociais
LOJA
Veja os produtos
ONDE ESTOU NESTE MOMENTO
Baixar e-book gratis
VINHO, SABER BEBER
Vídeo Recente
Baixe o e-book gratis

Vinho, saber beber

* Indicadores requeridos
Redes Sociais

Visite-nos em outros lugares!